segunda-feira, abril 02, 2007

A liderança ali tão perto...

dluiz
No rescaldo do empate a 1 golo no clássico de ontem fica a clara sensação de "termos perdido 2 pontos e não ganho 1". Digo isto porque, apesar do controlo por parte do fcporto na 1ª parte do jogo - verdade seja dita que mais por culpa própria do que propriamente pelo grande caudal - o Benfica apresentou-se muito forte na 2ª parte, tendo feito por merecer bem mais do que este empate. O referido domínio na 2ª parte foi tal que a equipa portista apenas e só em contra-ataque chegou a incomodar um espectador chamado Quim. Justiça seja feita no facto de, salvo uma ou outra excepção, os contra-ataques azuis terem sido sempre perigosos, com a oportunidade de também “matar” o jogo.

Sinal mais: O ambiente proporcionado por nós sócios e também pelos adeptos benfiquistas em geral que mais uma vez honrou o mundialmente famoso Inferno da Luz.
Sinal menos: A atitude dos mesmos de sempre, que todos sabemos quem são - e a Liga também sabe mas prefere assobiar para o lado - e mesmo assim continuam a deixar entrar este tipo de “gente” nos estádios portugueses… Mão pesada para este tipo de atitudes é o mínimo dos mínimos que se pode pedir.
NDR: Parabéns a David Luiz que demonstrou mais uma vez ter um nível de jogo e uma experiência não condizente com a tenra idade de 19 anos. A continuar assim o “miúdo” Anderson que se cuide!

BWin Liga, 23.ª jornada
BENFICA-FC PORTO
Estádio da Luz, Lisboa
Hora: 20:15
Árbitro: Pedro Proença (Lisboa)


BENFICA
Quim, Nélson, David Luiz, Anderson, Léo; Katsouranis, Petit, Simão, Karagounis; Miccoli e Nuno Gomes
Suplentes: Moretto, João Coimbra, Miguelito, Rui Costa, Derlei, Paulo Jorge e Mantorras
Treinador: Fernando Santos

FC PORTO
Helton; Bosingwa, Pepe, Bruno Alves, Fucile; Paulo Assunção, Raúl Meireles, Lucho e Jorginho; Quaresma e Adriano
Suplentes: Vítor Baía, Ricardo Costa, Cech, Alan, Renteria, Hélder Postiga e Anderson
Treinador: Jesualdo Ferreira

|

quarta-feira, março 21, 2007

Um pouco da História do próximo adversário na Taça UEFA

espanyol
Fundado por jovens estudantes
O RCD Espanyol de Barcelona é um dos clubes mais antigos e mais importantes da Liga Espanhola. Em 1900, Angel Rodríguez, fundou o Sociedad Española de Futbol, um clube dos estudantes universitários encorajados a praticar um novo desporto recentemente importado de Inglaterra: futebol. Designou-o de Sociedad Española de Futbol para o diferenciar de outros clubes de Barcelona, dominados por jogadores estrangeiros. Mais tarde o nome do clube sofre uma pequena mudança. Passou-se a designar Real Club Deportivo Espanyol em 1912, quando o rei Alfonso XIII atribuiu o título “real” ao emblema do clube.

As cores azul e branco
Em 1910, o RCD Espanyol escolheu o azul e o branco como as cores que passariam a adornar os seus equipamentos. Reza a História que a escolha desta combinação de cores, teve como inspiração o escudo do almirante catalão, Roger de Lluria, que na Idade Média navegou pelo Mediterrâneo, protegendo os interesses da Catalunha.

Quatro taças: 1929, 1940, 2000 e 2006
Em 1901, o RCD Espanyol ganhou o Campeonato da Macaya. Mais tarde em 1929, a equipa ganhou pela primeira vez a Taça de Espanha, título que viria a repetir novamente em 1940, em 2000 durante a comemoração do seu centenário e em 2006. Em 1988, o clube era o detentor da Taça UEFA.

Grandes Jogadores
Durante mais de 100 anos, o Espanyol teve jogadores conhecidos em torno do Mundo. O primeiro ídolo azul e branco foi certamente o grande guarda-redes Ricardo Zamora. Após ele, outros apareceram, tais como o internacional Alfredo di Stefano, Kubala, N' Kono…

Estádios
O RCD Espanyol de Barcelona começou a jogar num campo perto da Sagrada Família. Desde 1923 e até o fim da época 1996-97, o clube mudou-se para Sarrià. De então a agora, o Espanyol actua no Estádio Olimpico que continuará a ser a sua casa até terminar a construção do novo estádio do clube em Cornellá.

Documento, traduzido e adaptado, retirado do site: http://www.rcdespanyol.com/

A acrescentar ainda que esta época o Espanhol é o actual 10º classificado da Liga Espanhola.
|

terça-feira, março 20, 2007

Ao rubro...

tabela
É este o panorama à 22ª Jornada da Liga Bwin, após a vitória mais do que justa por 0-1 do Sporting no norte do país e da vitória com, apetece dizer, estrelinha de campeão do Benfica no difícil campo da Reboleira pelo mesmo resultado.
De notar que esta jornada que começou na sexta-feira apenas acaba hoje, desenrolando-se em 5 dias! Sim 5 dias... Poderia dizer muita acerca disto, mas a (falta de) qualidade e a (des) organização de uma Liga pseudo-profissional fala por si! O que não lhes escapou mesmo foi a violentissíma e bárbara agressão do Derlei, o qual deu um pomposo relatório e o respectivo processo sumaríssimo (o único até agora!)! Organizar um calendário é que não é com eles! Enfim... Olha, investiguem!
Mas vergonhas à parte, o campeonato está mesmo ao rubro quando faltam apenas 8 jornadas para o final e com um Benfica-Porto na próxima jornada que decidirá, pelo menos provisóriamente, o líder do campeonato. Uma coisa é certa, caso o Benfica vença o jogo (como se espera) passa pela primeira vez para o comando da Liga, posto esse ocupado pelo Porto há meses e meses a fio. Não será a diferença de 2 pontos que decidirá algo, mas uma coisa é certa, a se verificar este panorama: psicológicamente o Benfica está e ficará por cima! E outra coisa que é certa e factual: até agora não sabemos o que é perder em casa... Vamos fazer da Luz um verdadeiro Inferno para o adversário, como só nós sabemos, e honrar o mundialmente famoso e mitico 3º anel que eternizou a velhinha Catedral! Com isso podem desde já contar!
Rumo ao título...
|

sábado, março 17, 2007

Actualidade encarnada #2

A eliminação do PSG nos oitavos de final da Taça UEFA e a consequente passagem aos quartos de final da mesma prova em que o sorteio ditou um embate com o Espanhol de Barcelona, pode muito bem ser um impulso extra para os importantes jogos que aí vêm para a decisão do novo Campeão Nacional.
Entramos numa fase do campeonato onde o mínimo descuido dos que ainda ambicionam conquistar o título pode ser fatal, pelo que concentração máxima é exigida. Esta noite joga-se um Porto-Sporting, em que um empate ou uma derrota do primeiro deixa o mesmo sobre brasas para a próxima deslocação fora... Por outro lado, uma vitória do Sporting pode significar, além da recuperação pontual, uma recuperação psicológica muito importante nesta fase.
No que verdadeiramente interessa, isto é, o nosso Clube, iremos ter uma curta deslocação ao campo do sempre valoroso e, para mim, significativo, Estrela da Amadora. Aqui temos as seguintes opções: ou ganhamos, ou ganhamos ou mesmo ganhamos! Aos jogadores pede-se que encarem os restantes jogos como se de verdadeiras finais se tratassem e ao adeptos dispensam-se apoios/apupos particulares a jogadores; o que realmente devemos fazer é apoiar o Benfica no seu todo e não o Simão Sabrosa, o Leo ou o Moreira... Se é que me faço entender... É nisto que marcamos a diferença!
Força Benfica!
|

quarta-feira, março 14, 2007

Renascido o Inferno da Luz

Se dúvidas existem, elas devem ser dissipadas ao cabo de dez jornadas disputadas no Estádio da Luz: o verdadeiro Inferno da Luz está mesmo de volta!
Fernando Santos consegue igualar o feito que Jimmy Hagan alcançou na sua estreia, ou seja, em dez jogos alcançar nove vitórias e apenas um empate:

Nacional - 1:0
Aves - 4:1
E. Amadora - 3:1
Beira-Mar - 3:0
Marítimo - 2:1
V. Setúbal - 3:0
Belenenses - 4:0
Boavista - 0:0
P. Ferreira - 3:1
U. Leiria - 2:0


Se excluirmos o empate conseguido de forma milagrosa pelos homens de Jaime Pacheco, a equipa do Benfica só conhece, nestes dez jogos, o sabor da vitória em jogos realizados no seu reduto. Todos esperamos agora que seja batido o record da década de 70, de cinquenta jogos sem perder em casa para o campeonato, alcançado durante três temporadas pelo atrás referido Jimmy Hagan.
Perante esta evidência é bom que os próximos adversários a irem jogar à Luz olhem para esta estatística e tenham, no mínimo, muito receio! E quem é mesmo o próximo, quem é?!

|

segunda-feira, março 12, 2007

Opções tácticas

Não contando com duas pedras fundamentais como Luisão e Rui Costa e admitindo que Nuno Gomes e Miccoli estão a 100%:

tactica2
Claramente não há que tirar o Katsouranis do meio-campo, não porque não desempenhe seguramente a função de central mas sim porque não se pode prescindir de um jogador da qualidade de Katsouranis onde maior rendimento tem. Esta é uma situação um pouco à imagem de Mourinho no Chelsea, que é obrigado a utilizar Essien no eixo da defesa "perdendo" assim um jogador do meio-campo. Até porque há sempre o David Luiz que fez uma exibição seguríssima na 2ª parte do jogo de Paris, actuando do lado direito do eixo central da defesa, mostrando que é um jovem de grande valor e em quem se pode confiar.

Se se optar por utilizar Katsouranis no eixo da defesa ao lado de Anderson, a opção mais segura para substituir o grego no meio-campo é, sem dúvida, o jovem João Coimbra. Coimbra jogou a grande nível em Paris, enquanto teve pernas para isso. Não é certamente a jogar 1 minuto por jogo que vai ganhar ritmo competitivo...
tactica1
No que ao ataque diz respeito penso que é de utilizar Simão a "falso nº10" que simultaneamente descai para ambos os flancos, e a dupla Miccoli - Nuno Gomes. Isto logicamente partindo do princípio que se encontram a 100%.
|

terça-feira, março 06, 2007

Pura classe... Benfica

Já há algum tempo para cá que tinha vontade de fazer um vídeo com alguns bons momentos do nosso Glorioso. Desta vez decidi-me mesmo por juntar excertos de alguns vídeos do campeonato nacional que tenho no PC, com bons momentos desta época e da época passada, fazendo assim mais uma homenagem ao nosso Grande Clube. Foi o meu primeiro trabalho do género.
Aqui o deixo:





|

domingo, março 04, 2007

Eclipse... futebolístico e afins

Vamos ser claros na análise à importante vitória por 0-1 do Benfica frente ao Desportivo das Aves. Três equipas em campo: duas equipas em que o objectivo único foi destruir o jogo - Desportivo das Aves e equipa de arbitragem liderada por Jorge Sousa - e uma que se preocupou em jogar o possível perante as circunstâncias do "jogo" - Benfica. Não há volta a dar a isto.
Por muito fanático que se possa ser, o que vimos ontem foi um exemplo de uma equipa fraca que espera o ano todo pelo jogo com um verdadeiro clube grande para se tentar mostrar ao país. Caso o jogo fosse jogado com lealdade não tinha qualquer problema com isso, até porque já estamos habituados, agora com entradas duras mil com a complacência do árbitro medíocre do costume, assim já tenho algo contra!
Ao contrário da convicção de Neca no flash-interview, eu não tenho a mínima dúvida que este Aves, com esta mentalidade, pode-se já considerar como o principal candidato à descida de divisão!
Num jogo mau em que Nuno Gomes percebeu finalmente que só rematando se podem fazer golos, valeu claramente a conquista dos três pontos e a perseguição ao 1º lugar que está cada vez mais ao rubro.

Estádio do Clube Desportivo das Aves
Árbitro: Jorge Sousa (Porto)

Desportivo das Aves – Nuno; Anilton, William, Sérgio Nunes e Pedro Geraldo; Filipe Anunciação e Mércio; Paulo Sérgio, Hernâni (Diego Gama, 71 m) e Jorge Ribeiro; Octávio (Sérgio Carvalho, 67 m).

Benfica – Quim; Nélson, Katsouranis, Anderson e Léo; Petit, Nuno Gomes e Karagounis; Derlei (Paulo Jorge, 81 m), Miccoli (João Coimbra, 90 m) e Simão.
Ao intervalo: 0-0

Golo: Nuno Gomes (59 m)
Resultado final: 0-1

Cartão amarelo: Sérgio Nunes, Derlei, Octávio, Jorge Ribeiro, Petit, Nuno Gomes, Paulo Sérgio, Paulo Jorge e Quim.
Cartão vermelho (segundo amarelo): Sérgio Nunes (65 m).



PS: Queria ainda fazer notar o meu desprezo pela atitude (ainda que normal e habitual – ao que nos vão habituando) dos membros de uma claque nortenha que apenas demonstraram mais uma vez a essência que são feitos: uns verdadeiros energúmenos! Cada vez mais tenho vergonha que sejam portugueses como eu. Ninguém esperava que batessem palmas, ainda assim os verdadeiros adeptos do futebol e do clube em causa, aplaudiram de forma a abafar a cobarde e vergonhosa vaia dos referidos. Mau demais. Quero ver se certos comentadores que julgam ter a verdade absoluta acerca de tudo têm a coragem de apontar directamente com o dedo este tipo de comportamento.

|

sábado, março 03, 2007

As tais coincidências do nosso “futebolzito”…

Quem não se recorda do “exemplo de correcção para inglês ver” que o Benfica foi feito este início de época?! Onde: qualquer conversa do capitão com o árbitro a respeito de x ou y lances dava sempre direito a cartão amarelo; qualquer reacção irónica como «bater palmas a um lance ridiculamente ajuizado pelo árbitro» dava direito a amarelo; chutar a bola depois do sinal de fora-de-jogo do fiscal de linha (ainda que assinalado 10 ou 15 segundos depois) e do apito do árbitro dava sempre direito a amarelo, e por aí fora….
Coincidência ou não, em vésperas de jogos decisivos para a decisão do título nacional, jogadores agressivíssimos como Simão Sabrosa e Katsouranis - fundamentais na equipa do Benfica - têm quatro cartões amarelos e não jogam no próximo jogo caso vejam outro.
Coincidência ou não, Rui Moreira – comentador portista do Trio d’Ataque que até admiro pela habitual e rara sobriedade que consegue emprestar aos seus comentários – questiona hoje, na sua habitual rubrica do Jornal Record, um suposto cartão amarelo perdoado a Katsouranis no jogo com o Paço de Ferreira. Entre outras coisas refere ainda qualquer coisa do género: “…se neste país os árbitros protegessem mais os jogadores talentosos talvez o Anderson não estivesse no estaleiro…”. Lamento que por momentos este íntegro senhor que, tal como outras personalidades deste país, ainda continue a tentar ver uma falta que não existiu (nem nunca vai existir, por muitas distorções da realidade que se façam!) no lance entre Katsouranis e Anderson, se esqueça que ainda há duas semanas defendeu a despenalização de uma clara agressão de um jogador “talentoso” do seu clube do coração…

A verdade é que, coincidência ou não, estas coisas passam-se tão naturalmente como o nascer e o pôr-do-sol.
Como diz o outro: «Yo no creo en bruxas, pero que las hay, las hay.»
Investigem!


|

sexta-feira, março 02, 2007

Sucesso financeiro visto por Domingos Soares Oliveira

Domingos Soares Oliveira exalta sucesso financeiro.

“Temos as contas todas equilibradas”

A “menina dos olhos” de Domingos Soares Oliveira, administrador executivo da SAD, é o facto de ter atingido a estabilidade financeira.
“O grande marco neste início de novo centenário é o equilíbrio das contas. Temos todas as contas das várias empresas equilibradas. Esse é o nosso grande êxito!”, refere o dirigente, frisando que a sobrevivência do clube já não passa pela alienação de activos: “O Benfica reúne hoje condições para não necessitar de vender jogadores. Já é perfeitamente viável um Benfica sem venda de jogadores. O que tem cumprido com a banca permite-lhe apresentar um volume de receitas suficiente para respeitar todas as obrigações; mas para continuar progredir precisa do apoio dos sócios e patrocinadores.”

INVESTIMENTO: O administrador direcciona já olhar para um futuro a médio prazo, no qual o emblema vai poder realizar um investimento mais elevado no futebol.
“Temos de fazer crescer as receitas. O nosso papel não é transformar o clube numa máquina de lucro, mas é dotá-lo de capacidade para investir cada vez mais no futebol e na parte desportiva das modalidades. Não é coisa que se consiga fazer de um ano para o outro. Prevejo que a cinco anos de distância a facturação possa crescer muito, por forma a investirmos cada vez mais o futebol”, diz.

OPA ATRASA CANAL DE TV: Um factor externo ao Benfica tem mantido em banho-maria o canal de televisão, projecto tão caro ao elenco directivo do emblema da Luz. “Não conseguimos desenvolver muitas negociações enquanto a OPA da Sonae sobre a PT estiver a decorrer. O projecto do canal não está congelado mas tem vindo a arrastar-se. Espero que possa ter um maior desenvolvimento a curto prazo”, sustenta Domingos Soares Oliveira.

LIGA VALE MAIS QUE UEFA: A saúde financeira do clube está umbilicalmente ligada aos sucessos desportivos. “Todos os êxitos ajudam a consolidar o Benfica. Não podemos dizer que o emblema é indiferente aos êxitos, seja na UEFA ou na Liga. Creio que o campeonato é mais importante, desse ponto de vista”, explica o dirigente, sublinhando que o segundo mandato tem decorrido conforme o planeado: “Esta já é, sobretudo, uma fase de consolidação.”
in Jornal Record, edição em papel, 02-03-2007.
|

Subscrever
Mensagens [Atom]