sábado, março 03, 2007

As tais coincidências do nosso “futebolzito”…

Quem não se recorda do “exemplo de correcção para inglês ver” que o Benfica foi feito este início de época?! Onde: qualquer conversa do capitão com o árbitro a respeito de x ou y lances dava sempre direito a cartão amarelo; qualquer reacção irónica como «bater palmas a um lance ridiculamente ajuizado pelo árbitro» dava direito a amarelo; chutar a bola depois do sinal de fora-de-jogo do fiscal de linha (ainda que assinalado 10 ou 15 segundos depois) e do apito do árbitro dava sempre direito a amarelo, e por aí fora….
Coincidência ou não, em vésperas de jogos decisivos para a decisão do título nacional, jogadores agressivíssimos como Simão Sabrosa e Katsouranis - fundamentais na equipa do Benfica - têm quatro cartões amarelos e não jogam no próximo jogo caso vejam outro.
Coincidência ou não, Rui Moreira – comentador portista do Trio d’Ataque que até admiro pela habitual e rara sobriedade que consegue emprestar aos seus comentários – questiona hoje, na sua habitual rubrica do Jornal Record, um suposto cartão amarelo perdoado a Katsouranis no jogo com o Paço de Ferreira. Entre outras coisas refere ainda qualquer coisa do género: “…se neste país os árbitros protegessem mais os jogadores talentosos talvez o Anderson não estivesse no estaleiro…”. Lamento que por momentos este íntegro senhor que, tal como outras personalidades deste país, ainda continue a tentar ver uma falta que não existiu (nem nunca vai existir, por muitas distorções da realidade que se façam!) no lance entre Katsouranis e Anderson, se esqueça que ainda há duas semanas defendeu a despenalização de uma clara agressão de um jogador “talentoso” do seu clube do coração…

A verdade é que, coincidência ou não, estas coisas passam-se tão naturalmente como o nascer e o pôr-do-sol.
Como diz o outro: «Yo no creo en bruxas, pero que las hay, las hay.»
Investigem!


|

Subscrever
Mensagens [Atom]